está aqui: home > cães > cão de fila de são miguel

Envie a um amigo
Recomende o vivapets
de:


para:


mensagem:

[ enviar ]
Adionar a página aos Favoritos 

Cão de Fila de São Miguel

O guardador de rebanhos

Cão de Fila de São Miguel
origem:Portugal (Açores, ilha de S. Miguel)
classificação:Cães de Pastoreio
altura:48 para 60 cm
peso:20 para 35 kg
exercício: Exigentetreino: Razoávelclima: Temperadointerior/exterior: Fora de casaalimentação: Médiotamanho: Médio
Adicionar aos meus items favoritosÉ um perito nesta raça?envie esta página a um amigoadicione um comentárioadicione um link
Adicione esta raça aos seus tópicos favoritos
Esta funcionalidade exige que esteja registado no VIVAPETS

Pode fazer o login da sua conta ou criar uma nova conta.
É um perito nesta raça?
Esta funcionalidade exige que esteja registado no VIVAPETS

Pode fazer o login da sua conta ou criar uma nova conta.
envie esta raça a um amigo!
Preencha o formulário abaixo

o seu nome:
o seu email:
nome do seu amigo:
email do seu amigo:
comentários:
 

História [ editar ]

Data do século XVI a primeira referência à existência de cães de fila nos Açores, nomeadamente na ilha de S. Miguel. O facto das ilhas açorianas terem uma propensão natural para a exploração pecuária de gado bovino, conduziram à criação de uma raça canina especialmente dotada para a faina de conduzir e defender este gado.

Ainda que os cães hoje existentes descendam de exemplares de mastins e alões levados do continente pelos colonos desde o tempo do infante D. Henrique e posteriormente tenha sido introduzido sangue dos ingleses Mastiff, Bulldog e Dogue de Bordéus francês, resultado dos contactos marítimos com estes povos, existe hoje uma raça bem definida com características morfológicas e temperamentais muito concretas.

Usado essencialmente na condução do gado bovino leiteiro que existia no arquipélago, foi também treinado como cão de montaria para a caça ao javali. O seu temperamento agressivo e a sua coragem fazem dele um potencial exemplar muito apreciado para estes fins.

O seu estalão data de 1984 mas falta ainda o seu reconhecimento internacional pela FCI (Fédération Cinologique Internacionale) que exige a existência de um mínimo de registos de animais, de gerações e a homogeneidade morfológica dos exemplares. Quanto ao registo no LOP, tem que existir uma das seguintes condições: progenitores registados no LOP; três gerações de ascendentes registados no RI ou classificação de “excelente” em Exposição Nacional ou Internacional, tendo o animal os progenitores registados no LOP.

Dado que a raça foi recentemente tornada pública, compreende-se a dificuldade de acesso. Apesar de tudo os exemplares ultrapassaram, em 1994, os 71, o que denota um crescimento acentuado desta raça. O cão de Fila de S. Miguel é muito rústico, nascendo e vivendo no campo junto do gado que justifica a sua existência.
a editar: História [ fechar ]
Esta funcionalidade exige que esteja registado no VIVAPETS

Pode fazer o login da sua conta ou criar uma nova conta.

Temperamento [ editar ]

Cão de gado por excelência, é ainda um bom guarda de propriedade e de defesa pessoal. Muito inteligente e com grande aptidão para aprender. De temperamento ardente e voluntarioso, pode ser agressivo para estranhos embora seja dócil para o seu dono. Dadas as suas características temperamentais não é aconselhável para donos pouco experientes.
a editar: Temperamento [ fechar ]
Esta funcionalidade exige que esteja registado no VIVAPETS

Pode fazer o login da sua conta ou criar uma nova conta.

Descrição [ editar ]

Cão de média corpulência, forte e rústico (mediolíneo e mossolóide). A cabeça é forte e tem aspecto quadrado. Os lábios são bem pigmentados, sobrepostos, rasgados, firmes e de perfil ligeiramente curvo. A dentição é completa com fecho em tesoura ou em pinça. Os olhos são ovais, bastante expressivos, ligeiramente encovados, castanho escuros, horizontais e de tamanho médio. As orelhas tem uma inserção acima da média e quando não são cortadas, ficam pendentes e ligeiramente afastadas da face.

Devido às normas definidas pela Comunidade Europeia que proíbem o corte de orelhas, os exemplares de orelhas inteiras deverão tornar-se cada vez mais numerosos, não perdendo nenhum do seu encanto natural. O tronco é forte, musculado, com peitoral duplo. O peito é largo e descido e o dorso direito. O lombo é de comprimento médio, largo e musculado. A linha inferior possui um perfil ascendente, ventre e flancos proporcionais ao corpo.

A garupa é de comprimento médio em relação ao corpo, ligeiramente predominante em relação ao garrote. Esta ligeira proeminência da garupa é de evitar, embora notória em muitos cães. Os membros anteriores são fortes e medianamente afastados. Espádua com angulação ligeiramente aberta. Braços fortes, de comprimento médio e bem musculado.

Os membros posteriores são igualmente fortes e medianamente afastados. A cauda é de inserção alta, grossa e de tamanho médio ligeiramente encurvado. Normalmente é encurtada pela 2ª ou 3ª vértebra. Tal como sucede no corte das orelhas, também a amputação da cauda será a curto ou médio prazo interdita pela lei e este condicionamento irá alterar necessariamente o tipo de cão a que estamos habituados. Possui um andamento fácil e solto; em movimento o posterior é ligeiramente bamboleante.
a editar: Descrição [ fechar ]
Esta funcionalidade exige que esteja registado no VIVAPETS

Pode fazer o login da sua conta ou criar uma nova conta.

Tipo de Pêlo [ editar ]

Curto, forte, denso, liso e ligeiramente franjado na cauda e posteriores. A cor pode ser amarela, cinza e fulvo, nas tonalidades claro e escuro, devendo ser sempre raiado e podendo ter uma malha branca na região frontal e mentopeitoral, podendo ser menalvo, pedalvo ou quadralvo. A pele é grossa e pigmentada.
a editar: Tipo de Pêlo [ fechar ]
Esta funcionalidade exige que esteja registado no VIVAPETS

Pode fazer o login da sua conta ou criar uma nova conta.

Observações [ editar ]

É o “Cão de Vacas”, epíteto atribuído pela população da região. Dadas as suas características temperamentais não é aconselhável para o não iniciado nas lides cinófilas.
a editar: Observações [ fechar ]
Esta funcionalidade exige que esteja registado no VIVAPETS

Pode fazer o login da sua conta ou criar uma nova conta.
Adicionar novo bloco [ adicionar ]
adding: [ fechar ]
Esta funcionalidade exige que esteja registado no VIVAPETS

Pode fazer o login da sua conta ou criar uma nova conta.
[ É um perito nesta raça? Editar esta descrição(moderado) ]
Comentários (9)adicionar comentário
Esta funcionalidade exige que esteja registado no VIVAPETS

Pode fazer o login da sua conta ou criar uma nova conta.
06.12
bruno88 disse:
tonimaca - a cauda e as orelhas nao é uma questao de estetica mas sim de saude do cao, o corte do rabo é feito devido as pisadelas das vacas, as orelhas é devido á humidade intenssa que se faz sentir nos açores para prevenir as orelhas, tambem pode ser uma prevençao para o coice das vacas para nao criar ematomas, mas tambem nao deixo de concordar consigo que essa caractristica nao deva de ser esquecida
24.12
tonimoca disse:
boa noite , tem aqui alguns comentários , ate dao para rir, o sr spwandunk, nunca viu um fila de sao miguel á frente dele, porque se visse nao tinha esta teoria do grande é que é mau e intimidador! um fila de sao miguel nao é um cao de grande porte mas faz frente a qualquer um grande, é um cao obcecado por guarda e protecção , e posso quase afirmar que nao ha melhor ! quanto as orelhas cortadas e calda, é so por estetica , que na minha opiniao é uma caracteristica que se deve manter.
26.07
povoacense disse:
ja tive vários cães de fila, uns puros outros cruzados, sempre excelentes cães, mas numa coisa tenho de discordar, proibir o corte da cauda, retira muita beleza a esta especie, se bem que concordo com o facto de não se cortar as orelhas, de resto são cães de uma inteligência impressionante, e de um apetite foraz!
23.07
MResendes disse:
O Fila de São Miguel é uma raça simplesmente fantástica ... tive dois e eram super inteligentes, meigos e fantásticos como companheiros.
09.04
spwandunk disse:
Bem, não sou muito experiente na matéria, mas como tudo na vida as coisas evoluem. O nosso cão de fila hoje em dia não é só um cão de condução de gado leiteiro como também d e companhia e de guarda cada vez mais , está nas mãos dos criadores de escolherem o género que querem conforme a função e estética que preferirem. Claro não deixando para trás o seu temperamento que é umas das coisas principais para mim na raça de um cão. Não é só moda. Os estalões deveriam se revistos. Um fila de porte grande intimida muito mais um fila de porte medio.
03.05
anarita602 disse:
Há uma vivenda na rua da minha avó, onde reside um exemplar desta raça. Por incrível que pareça, podemos passar pela residência que ele não nos faz mal. Mas convém não tocar nas grades, porque senão o seu instinto de cão de guarda vem à superfície e eo resultado não é muito bonito.
26.07
josete disse:
No Brasil nós temos o Fila Brasileiro, raça grande, robusta, molossóide e de temperamento bastante agressivo com estranhos. Bem maior que este, chega a pesar 70 quilos e o rabo não é cortado. Bem parecido com este, só que maior.
17.02
arrifense disse:
Boa noite, eu sou de acordo que as caracteristicas do nosso cão de fila nao devem ser alteradas, uma vez, que deixarão de ser as que sempre marcaram as diferenças dos outros cães, porem, concordo tambem que tudo está diferente a todos os niveis, mas tambem sendo o fila maior nao terá o mesmo desempenho que outrora quiçá a mesma disposição e entrega e fidelidade ao seu dono, porque não se esqueçam de uma coisa, o animal tambem sente e se estressa, e se as coisas nao correrem bem para ele como antes, ele tambem pode alterar sua personalidade para com os demais á sua volta. mas nunca esqueçam que o nosso fila de São Miguel está entre os melhores do mundo e muito me orgulho de jã ter tido um lindo exemplar na minha vida.
07.07
dnel disse:
Este cão admirável distingue-se dos demais filas pelo seu porte médio, o qual tem a ver com a sua funcionalidade. Todavia e infelizmente, pegou também na cinofilia a moda do "quanto maior melhor", moda que pelos vistos também se contagiou aos próprios juízes de exposições caninas, que andam a dar preferência a filas de porte avantajado, excedendo os máximos consentidos pelo estalão (60 cm e 35 kg). Compreendo perfeitamente que a realidade evolui e que a melhoria das condições de vida dos cães (mormente no tocante à alimentação e, em particular, à qualidade das rações) justifica, em certas raças, a revisão do estalão (p. ex., Castro Laboreiro). Já no nosso Fila, essa revisão em alta afigura-se-me desvirtuar o cão, que perde características diferenciadoras (aproxima-se do Presa Canário) e, pior ainda, perde funcionalidade (não estou a ver um fila de 65 ou mais cms a mover-se com a destreza que lhe é própria por debaixo do gado leiteiro!). Muito gostaria de ouvir mais opiniões sobre este assunto.
rede vivapets:  Português Português English English Español Español Deutsch Deutsch